TchêInvest

Blog de artigos, criados por IA, sobre investimentos

Ações B3 Corretoras Geral Investimentos Renda Variável

Diferença entre o contrato futuro e o contrato a termo?

Você já se perguntou como os investidores podem se beneficiar ou se proteger das variações de preço de um determinado ativo no futuro? Uma das formas de fazer isso é por meio dos contratos futuros e dos contratos a termo, que são instrumentos financeiros que permitem negociar o valor de um ativo para uma data futura. Neste artigo, vamos explicar qual é a diferença entre o contrato futuro e o contrato a termo, como funcionam, quais são as vantagens e desvantagens, e como você pode usá-los na sua estratégia de investimento.

O que é um contrato futuro?

Um contrato futuro é um acordo entre duas partes para comprar ou vender um ativo subjacente a um preço acordado em uma data futura. O ativo subjacente pode ser uma commodity, uma moeda, uma ação, um índice, etc. O preço do contrato futuro é definido no momento da negociação, mas o pagamento e a entrega do ativo só ocorrem no vencimento do contrato.

Os contratos futuros são padronizados, ou seja, têm um tamanho, um vencimento e um ativo subjacente definidos pela bolsa de valores onde são negociados. Por exemplo, na B3, a bolsa de valores brasileira, um contrato futuro de dólar tem um tamanho de US$ 50.000, um vencimento mensal e um ativo subjacente que é a taxa de câmbio PTAX.

Os contratos futuros são negociados em bolsa, ou seja, são registrados, compensados e garantidos pela própria bolsa, que atua como uma contraparte central. Isso significa que a bolsa assume o risco de inadimplência das partes, exigindo garantias e ajustes diários. As garantias são valores depositados pelos investidores para realizar as operações, que podem ser dinheiro, títulos, ações ou outros ativos. Os ajustes diários são pagamentos ou recebimentos que ocorrem todos os dias, de acordo com a variação do preço do contrato futuro. Por exemplo, se o preço do contrato futuro subir, o comprador recebe a diferença do vendedor, e vice-versa.

Os contratos futuros têm alta liquidez, ou seja, podem ser comprados e vendidos facilmente no mercado, sem afetar muito o seu preço. Isso permite que os investidores possam encerrar as suas posições antes do vencimento do contrato, realizando o lucro ou o prejuízo da operação.

O que é um contrato a termo?

Um contrato a termo é um acordo entre duas partes para comprar ou vender um ativo subjacente a um preço acordado em uma data futura. O ativo subjacente pode ser uma commodity, uma moeda, uma ação, um índice, etc. O preço do contrato a termo é definido no momento da negociação, mas o pagamento e a entrega do ativo só ocorrem no vencimento do contrato.

Os contratos a termo são personalizáveis, ou seja, podem ter um tamanho, um vencimento e um ativo subjacente definidos pelas partes, de acordo com as suas necessidades e interesses. Por exemplo, um produtor de café pode fazer um contrato a termo para vender a sua safra de 1.000 sacas de café a R$ 500 cada, para entrega em seis meses.

Os contratos a termo são negociados no mercado de balcão, ou seja, são acordos privados entre as partes, sem a intervenção de uma bolsa de valores. Isso significa que as partes assumem o risco de inadimplência uma da outra, sem exigir garantias ou ajustes diários. As partes podem negociar diretamente ou por meio de um intermediário, como um banco ou uma corretora.

Os contratos a termo têm baixa liquidez, ou seja, não podem ser comprados e vendidos facilmente no mercado, podendo afetar o seu preço. Isso significa que os investidores devem cumprir as suas obrigações até o vencimento do contrato, não podendo encerrar as suas posições antecipadamente, a não ser que haja um acordo entre as partes.

Qual é a diferença entre o contrato futuro e o contrato a termo?

A principal diferença entre o contrato futuro e o contrato a termo é o grau de padronização e regulamentação dos contratos. Enquanto o contrato futuro é um contrato padronizado, negociado em bolsa, com garantias e ajustes diários, o contrato a termo é um contrato personalizável, negociado no mercado de balcão, sem garantias e sem ajustes diários.

Outras diferenças entre o contrato futuro e o contrato a termo são:

  • O contrato futuro tem alta liquidez, enquanto o contrato a termo tem baixa liquidez.
  • O contrato futuro tem um risco de contraparte baixo, enquanto o contrato a termo tem um risco de contraparte alto.
  • O contrato futuro tem um custo operacional, que é a taxa de corretagem e a taxa de registro, enquanto o contrato a termo não tem um custo operacional, a não ser que haja um intermediário.
  • O contrato futuro tem um imposto de renda, que é de 15% sobre o lucro líquido para operações de mais de um dia, e de 20% para operações de day trade, enquanto o contrato a termo não tem um imposto de renda, a não ser que haja uma liquidação antecipada.

Quais são as vantagens e desvantagens do contrato futuro e do contrato a termo?

Tanto o contrato futuro quanto o contrato a termo têm vantagens e desvantagens, que devem ser avaliadas pelos investidores e empresas que os utilizam. Veja quais são elas:

Vantagens do contrato futuro

  • Permite que os investidores e empresas se beneficiem ou se protejam das variações de preço de um ativo no futuro, sem precisar ter o ativo em carteira.
  • Permite que os investidores e empresas realizem operações de hedge, arbitragem e especulação, com diferentes estratégias e objetivos.
  • Permite que os investidores e empresas tenham maior flexibilidade e agilidade nas operações, podendo encerrar as suas posições antes do vencimento do contrato, se desejarem.
  • Permite que os investidores e empresas tenham maior segurança nas operações, contando com a garantia e a fiscalização da bolsa de valores.

Desvantagens do contrato futuro

  • Exige que os investidores e empresas depositem uma garantia e paguem ajustes diários, o que pode comprometer a sua liquidez e rentabilidade.
  • Exige que os investidores e empresas paguem um custo operacional e um imposto de renda, o que pode reduzir o seu lucro líquido.
  • Exige que os investidores e empresas se adaptem aos termos padronizados dos contratos, o que pode limitar as suas opções e necessidades.

Vantagens do contrato a termo

  • Permite que os investidores e empresas se beneficiem ou se protejam das variações de preço de um ativo no futuro, sem precisar ter o ativo em carteira.
  • Permite que os investidores e empresas realizem operações de hedge, arbitragem e especulação, com diferentes estratégias e objetivos.
  • Permite que os investidores e empresas tenham maior personalização e adequação nas operações, podendo definir os termos dos contratos, de acordo com as suas preferências e interesses.

Desvantagens do contrato a termo

  • Exige que os investidores e empresas cumpram as suas obrigações até o vencimento do contrato, o que pode restringir a sua flexibilidade e agilidade nas operações.
  • Exige que os investidores e empresas assumam o risco de inadimplência das partes, o que pode comprometer a sua segurança e confiabilidade nas operações.
  • Exige que os investidores e empresas negociem diretamente ou por meio de um intermediário, o que pode aumentar o seu custo operacional e o seu imposto de renda.

Como usar o contrato futuro e o contrato a termo na prática?

Para usar o contrato futuro e o contrato a termo na prática, o investidor ou a empresa precisa seguir alguns passos, como:

  • Identificar o ativo que está sujeito ao risco de variação de preço, como uma commodity, uma moeda, uma ação, um índice, etc.
  • Identificar o instrumento financeiro que pode ser usado para fazer hedge ou especulação desse ativo, como um contrato futuro ou um contrato a termo.
  • Identificar o mercado onde esse instrumento financeiro é negociado, como a bolsa de valores ou o mercado de balcão.
  • Identificar a quantidade e o prazo da operação, de acordo com a exposição e o objetivo do investidor ou da empresa.
  • Identificar o preço ou a taxa do instrumento financeiro, que pode ser fixo ou variável, de acordo com a oferta e a demanda do mercado.
  • Identificar a garantia